Projeto Ekibalar

Conheça a história do Projeto Ekibalar

 
 

O Ekibalar tem sido um instrumento de Deus para que o Evangelho seja espalhado aos Vilarejos não-alcançados do Níger.” (Pastor Saley Anoura, Níger).


O país

 

O Níger, oficialmente República do Níger, é um país da África Ocidental que pertence à “Janela 10×40“. Faz fronteira com a Argélia e Líbia ao norte, a leste com o Chade, a sul com a Nigéria e Benim e a oeste com Burkina Faso e Mali. O país abrange uma área de quase 1.270.000 km², fazendo desta a maior nação da África Ocidental, com mais de 75% de sua área de terra coberta pelo Deserto do Saara.

A população é predominantemente islâmica, sendo estimada em 17.138.707 habitantes, conforme dados de 2013. A capital é Niamey, localizado no sudoeste do país, que é a sua cidade mais populosa.

O Níger é um país subdesenvolvido, e é consistentemente umas das nações que apresentam um Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) muito baixo, com um total de 0,348 pontos, obtendo a 188ª classificação entre os países pesquisados, de acordo com dados do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Grande parte das porções não desérticas do país estão ameaçadas por secas periódicas e a desertificação. A economia está concentrada em torno de subsistência e o setor agrário concentra-se na região sul, a parte mais fértil de seu território. A exportação de matérias-primas, principalmente minério de urânio, também é um dos principais contribuintes da economia nigerina. O país enfrenta sérios desafios para o desenvolvimento devido à sua posição sem litoral, terreno desértico, má educação, extrema pobreza, falta de infraestrutura e degradação ambiental.

No século XIX, os franceses iniciaram a colonização do Níger, que obteve sua independência no ano de 1960. O idioma oficial do país (francês) é uma das heranças desse processo de ocupação (Fonte: Wikipedia).


O Projeto

O Níger possui mais de 3000 vilarejos (povos: Gourmantches; Haussas; Zerma e Fulanes) sem a presença de cristãos, consequentemente, sem o estabelecimento Igreja. O Projeto Ekibalar nasceu com  o objetivo de enviar obreiros autóctones para estes vilarejos em parceria com as Igreja locais, através da parceria das seguintes organizações:

  • World Horizonz;
  • Igrejas Nigerinas;
  • Igrejas Patrocinadoras.

Projeto Ekibalar, mantém parceria com quase todas denominações cristãs existentes no Níger, recebendo de seus Pastores Presidentes a indicação de obreiros, que são devidamente preparados e aprovados (2 Tm 2:15) com uma formação básica de teologia e experiência pastoral para exercerem seus ministérios nos vilarejos, que são escolhidos sob oração, para se dar início a implantação de uma Igreja de Cristo local.

O primeiro motivo da existência do Projeto Ekibalar é a “obediência” à voz de Deus da idealizadora do projeto, a Missionária Carminha, que serviu no Níger por 10 anos, sendo ainda hoje mentora e coordenadora do projeto. No Níger, o Diretor local é o Missionário Jefferson Garcia. Outros motivos para a existência do projeto são: o obreiro nativo já conhece as línguas faladas no país, não sofre choque cultural por já estar habituados em sua comunidade, com isso, terá maior acessibilidade e aceitação nos vilarejos onde estiver trabalhando para o Reino, não correndo tanto risco como um obreiro estrangeiro.

A escolha e envio do obreiro através do Projeto Ekibalar é feito por missionários da WH Brasil que atuaram e atuam diretamente no Níger especialmente administrando o projeto há mais de 10 anos. Esses obreiros arregimentados pelo Projeto Ekibalar são acompanhados sistematicamente pelo Diretor local do projeto devendo a este, obrigatoriamente, remeter o relatório mensal do trabalho realizado no vilarejo e, pelo menos, uma vez a cada seis meses, o Diretor local do projeto visita cada obreiro em seu local de atuação, podendo também ser realizado visitas não programadas ou especiais.

A cada 2 anos é realizado a “Conferência  do Projeto Ekibalar“, com a participação de todos obreiros, onde estes são avaliados quanto ao trabalho realizado, compartilham de suas experiências, recebem treinamentos, são atualizados sobre o projeto e têm uma momento de comunhão.

Os obreiros do Projeto Ekibalar são apadrinhados por Igrejas e/ou irmãos em Cristo, através de um contrato de três anos, onde os “padrinhos” se comprometem a manter o obreiro por um período mínimo de três anos na obra realizado no vilarejo.

Neste período, o obreiro é desafiado e encorajado a se estabelecer com sua família no vilarejo, prover uma forma de se autossustentar e criar vínculos com os moradores do vilarejo. Uma fez estabelecido, o obreiro compartilha o evangelho e, assim que possível, inicia reuniões/cultos em sua casa para o estabelecimento de uma Igreja local, que poderá ser erguida mediante mobilização para contribuição financeiras (ofertas).


 

Origem do nome do projeto

Rogai, pois, ao Senhor da seara, que envie trabalhadores para a sua seara.” (Mateus 9:38 – TB)

 

O nome do projeto “Ekibalar” tem sua origem no verbo “enviar” (ou “mandar” dependendo da versão) no texto de Mateus 9:38, onde o Senhor Jesus nos incita a orar ao “Senhor da Seara que envie trabalhadores para sua seara“. Depois de ter percorrido cidades e povoados (vilarejos), ensinando, pregando o evangelho do reino e curando as pessoas doentes, Jesus teve “compaixão” das “multidões, porque estavam aflitas e exaustas como ovelhas que não têm pastor” e a seara, era (é) grande, e “os trabalhadores (ainda) são poucos” (Mateus 9:35-38).

O verbo “ekballo” no original grego significa “mandar sair, compelir alguém a partir“. Este verbo no original expressa a ideia de que o movimento dessa pessoa enviada precisa ser rápido, devendo partir ou sair apressadamente, sendo até mesmo conduzido por uma força que não se pode resistir, demonstrando a necessidade de “trabalhadores” (obreiros) na época de Cristo para que não se perdesse a oportunidade da colheita.

Ainda hoje, temos uma grande necessidade de discípulos de Jesus que sejam “impelidos“, ou “Ekibalados”, pelo Espírito de Deus, plenos de uma fé firme, animados por um amor sagrado, dotados do olhar de Jesus, isto é, olhar da compaixão e de esperança, que queiram ajudar na construção do reino de Deus nos vilarejos do Níger.

 

Resultado dos últimos 10 anos do Projeto Ekibalar


Envio de obreiros:

  • Em 2008: adoção e envio de 20 pastores;
  • Janeiro de 2018: adoção e envio de mais 33 novos pastores.

Trabalhos Sociais:

  • Doações de Motos para uso dos obreiros (as estradas rurais são intransitáveis durante o período de chuva);
  • Construção de casas para obreiros que residam nos vilarejos;
  • Abertura de Poços d’água para uso dos moradores dos vilarejos;
  • Trabalhos de atendimento clínicos dos moradores dos vilarejos;
  • Doações de Bíblias.

Resultado do Projeto Ekibalar até setembro/2018:

  • 60 Igrejas abertas;
  • 830 novos convertidos;
  • 537 pessoas batizadas.
 

Alvos de oração do Projeto Ekibalar

 

“Finalmente, irmãos, orai por nós, para que a palavra do Senhor se propague e seja glorificada, como também está acontecendo entre vós; e para que sejamos livres dos homens perversos e maus; porque a fé não é de todos.” (2 Tessalonicenses 3:1-2)

 
  • Para que o Senhor abra as portas para mobilização no Brasil e a Igreja brasileira entenda os propósitos do projeto;
  • Para que se levante grupos de irmãos em cada Igreja dispostos a orarem pelo projeto diariamente e divulgar o projeto;
  • Para que as Igrejas no Brasil interessem em apadrinhar um obreiro nativo para envio através do o Projeto Ekibalar;
  • Para que sejam arrecadados fundos para comprar mais 45 motos para serem usadas pelos pastores do projeto;
  • Para que Pastores e Irmãos no Brasil sejam levantados, encorajados e desejem visitar os obreiros do Ekibalar no campo missionário Niger.

Para maiores informações sobre nossos projetos entre em contato conosco!

(Preencha o formulário abaixo e tire suas dúvidas!)

 

Caso o formulário acima dê algum erro envie suas dúvidas e solicitações para:
mobilizacaomissionaria@vt101.onmicrosoft.com
 

Início  /  Voltar