Médicos de diversas nacionalidades, associados à organização humanitária Médicos Sem Fronteiras, deram o aviso de que a crise Ebola na África Ocidental é “sem precedentes, absolutamente fora de controle”, para que países de todo o mundo tomem medidas para evitar a sua propagação.

Bart Janssens, diretor de operações da organização, alertou que não havia visão abrangente de como lidar com o surto. “Esta epidemia… só pode piorar, porque está se espalhando rapidamente na Libéria e em Serra Leoa”, disse Janssens. “Estamos extremamente preocupados com o rumo dos acontecimentos, especialmente nestes dois países, onde há uma falta de visibilidade sobre a epidemia. Se a situação não melhorar rapidamente, existe um risco real de novos países a serem afectados.”

Mais de 670 pessoas morreram de Ebola, o maior já registrado desde que a doença foi detectada em 1970. Enquanto isso, a Organização da Aviação Civil Internacional reuniu-se com as autoridades de saúde mundiais para discutir medidas que possam impedir que a doença cruze as fronteiras. A companhia aérea ASKY suspendeu todos os voos de e para as capitais da Libéria e Serra Leoa.

A União Européia concedeu uma ajuda extra de R $ 2,7 milhões para combater o surto, elevando o financiamento total de US $ 5,2 m. “O nível de contaminação no solo é extremamente preocupante e precisamos intensificar a nossa ação para que mais vidas não sejam perdidas”, disse o comissário de ajuda humanitária da UE, Kristalina Georgieva. O bloco tem implantado peritos nos locais para ajudar as vítimas e tentar limitar o contágio.

Países-Ebola

Comunidades em quarentena

Os avisos vieram quando a Libéria ordenou o fechamento de todas as escolas de todo o país e da quarentena de um número de comunidades, como tentativa de deter o surto. As forças de segurança receberam ordens para fazer cumprir as novas medidas, parte de um novo plano de ação, que inclui também que todos os funcionários públicos “não essenciais” tenham licença obrigatória em 30 dias.

Na Nigéria, as autoridades de saúde anunciaram que estavam tentando rastrear mais de 30.000 pessoas que poderiam estar em risco de contrair o vírus Ebola após Patrick Sawyer, um liberiano, morrer da doença em Lagos (capital do país) recentemente.

“Nós estamos realmente olhando e cuidando, para podermos ter mais contato com esses mais de 30.000 pessoas. Porque qualquer um que teve contato com essas pessoas precisa ser tratado como um suspeito”, disse Yewande Adeshina, um conselheiro de saúde pública.

O governo da Nigéria implementou um estado de “alerta vermelho” em todos os postos de fronteira e iniciou uma campanha de mídia para alertar o público.

Nós, como Igreja de Cristo, precisamos orar.

E aí? Comente e poste:

comentário(s)