Biografias – Mary Slessor

 

É madrugada. A alguns quilômetros da orla marítima, uma mulher e seis crianças negras caminham para a margem de um rio. Chove. Homens e mulheres africanos perguntam:

Por que nos abandonas, mãe?

Mary Slessor para junto à canoa, volta-se, contempla aqueles semblantes escuros e fala docemente:

 

– Não fiquem tristes. Sei que vou para o meio de povos ferozes e adoradores do Maligno, mas eles também precisam ouvir falar de Jesus. Alegrem-se. Eu voltarei. Mas se não voltar, nós nos encontraremos nas margens do Grande Rio, diante do Grande Pai. E ali seremos todos de uma só cor, alvos como o marfim.

 


 

A Rainha do Reino de Calabar

 

A missão de Calabar, na África Ocidental, tinha sido fundada no ano de 1846. Kurumã estava sendo evangelizado por Robertt Moffat, enquanto David Livingstone, “o fogo das mil aldeias“, abria caminho através de todo o restante do Continente.

O sonho da senhora Slessor era que Roberto, seu filho mais velho, fosse à África auxiliar o trabalho desses missionários. Mas a morte prematura do rapaz fê-la pensar que nunca teria um filho missionário.

Quando, em 1874, Mary Slessor completou 26 anos, foi pedida em casamento. Mas neste mesmo ano o Império Britânico foi abalado com a notícia da morte de David Livingstone. Fizeram então apelo a voluntários para o continente africano, e Mary, decidindo entre a obra missionária e o casamento, optou pelo primeiro e ofereceu-se como missionária para Calabar.

Nessa época, ela era aluna da Escola Normal de Edimburgo, e a coragem em seguir para um lugar conhecido como “sepultura dos brancos” deixou forte impressão em todos.

Em agosto de 1876, no cais de Liverpool, Mary embarcava em um navio que a levaria a um continente que em nada se assemelhava à sua bela Escócia. Tornava-se então realidade o sonho da senhora Slessor.

Pelas areias brancas de Cabo Verde, pelo Desembarcadouro dos Escravos, pela Costa do Marfim e pela Costa do Ouro, a bordo do navio “Etiópia”, dois olhos azuis deslizavam sua curiosidade pela misteriosa paisagem que delineia a navegação costeira.

Mary Slessor, recebendo brandamente no rosto a aragem fresca das praias africanas, contemplava interessadamente aquelas florestas que se erguiam, hostis e impenetráveis, margeando toda a costa.

Chegando a Calabar, desembarcou e foi conduzida a Duke Town, uma vila litorânea onde residiam alguns missionários. Ali ela viveu durante quatro anos, ajudando nos cultos e estudando a língua local e alguns dialetos nativos.

 

 


Pequena biografia de Mary Slessor

 

Mary Slessor viveu de 2 de dezembro de 1848 a 13 de janeiro de 1915. Ela fez seu nome como missionária escocesa na Nigéria, onde sua forte personalidade conquistou sua confiança localmente e lhe proporcionou um considerável sucesso na promoção do cristianismo e dos direitos das mulheres. Seu trabalho e vida foi celebrada com uma nota escocesa de £ 10 emitida pelo Clydesdale Bank.

Mary Slessor nasceu em Aberdeen, mudando-se para Dundee aos 11 anos de idade em 1859. Seu pai era um sapateiro que perdeu o emprego devido a um vício em álcool e acabou encontrando trabalho nas fábricas de juta de Dundee. A mãe de Mary era uma mulher fortemente religiosa que assegurava que Mary frequentasse a igreja e que ela continuasse seus estudos frequentando a escola de meio período, mesmo depois que as circunstâncias familiares determinaram que Mary começasse a trabalhar nas fábricas de juta. Quando tinha 14 anos, Mary era uma hábil operária de juta, trabalhando das 6 da manhã às 6 da tarde todos os dias depois de terminar sua educação fundamental.

Ainda jovem, Mary se juntou a uma missão local para os pobres, trabalhando para semear valores cristãos nas áreas carentes de Dundee. Há uma famosa história dela forçando um grupo de jovens locais a frequentar a Escola Dominical como parte de um desafio em que ela se recusou a recuar quando um deles começou a girar uma corrente em cuja ponta estava presa uma bola de ferro. E a girava velozmente, bem próximo ao rosto de Mary, mas esta, encarando-o firmemente, não denunciava nenhum sinal de medo.

Em 1876, aos 28 anos, Mary pediu para ser missionária no Foreign Mission Board da United Presbyterian Church of Scotland. Ela recebeu treinamento na Escócia antes de embarcar na SS Etiópia em 5 de agosto de 1876, chegando a Calabar, no sudeste da Nigéria, pouco mais de um mês depois.

O país que ela encontrou estava em estado de caos. O poder colonial da Grã-Bretanha havia tomado o controle, mas estava mais interessado na manutenção do comércio do que no bem-estar dos nigerianos. O tráfico de escravos ainda era uma lembrança recente no país, e o infanticídio e o sacrifício humano ainda ocorriam. Os direitos das mulheres eram quase inexistentes. E a doença era abundante: a própria Mary sofria de malária.

A determinação de Mary conquistou firmemente o respeito dos nigerianos com quem ela entrou em contato. Ao contrário da maioria dos missionários, ela vivia entre aqueles com quem trabalhava. Ela se tornou fluente na língua local, Efik, e desenvolveu um profundo conhecimento dos costumes e da cultura locais. Eventualmente, o governador regional a recebia no Tribunal de Itu. Mary também adotou um número de crianças locais rejeitadas por seus pais: os gêmeos eram considerados na época na Nigéria seres amaldiçoados, e poderiam até ser sacrificados como resultado.

No início dos anos 1900, Mary estava ajudando a vacinar nigerianos contra a varíola. Mas ela também sofria de surtos cada vez mais graves de malária. Sua força declinou, a tal ponto que uma mulher que uma vez embarcou em caminhadas durante toda a noite pela floresta tropical teve que viajar em uma carroça empurrada por um assistente.

Mary morreu em 13 de janeiro de 1915. Ela foi dada um funeral de estado na Nigéria e em 1953 seu túmulo foi visitado pela rainha Elizabeth. Para os nigerianos, ela é simplesmente lembrada como “mãe de todos os povos”.

 


Atos da rainha do Reino de Calabar

 

 

“Corre, mãe! Corre!” Sempre que a mulher branca, ouvia estas palavras, ela sabia que era grave o problema, por isso ela correu apressada para a floresta. Lá ela encontrou Etim, o filho mais velho e herdeiro do Chefe da tribo, deitado inconsciente em uma árvore que tinha caído sobre ele. Por mais de quinze dias ela o alimentou e cuidou de seus ferimentos, mas seus esforços foram em vão. Pois a vida esvaiu-se lentamente de seu corpo e na manhã de domingo, antes da escola bíblica ele morreu.

Esta notícia foi enviada com um espasmo de terror por todo o distrito, pois cada morte violenta como essa era atribuída à feitiçaria e era certo que um bom número de pessoas iria ser acusadas de causarem essa morte e iriam morrer por supostamente terem sido a causa da árvore cair em cima do menino.

Assim que o chefe da aldeia soube que seu filho havia morrido, ele gritou: “Aqueles que mataram meu filho, também devem morrer! Tragam a feiticeira da aldeia!

Por causa destas palavras, todos fugiram. Quando a feiticeira chegou, ele por suas adivinhações colocou a responsabilidade pela morte do menino na aldeia em que vivia uma missionária vinda da Escócia, conhecida como a mãe branca. Imediatamente, os armados guerreiros marcharam contra o povoado, e apreenderam dezenas de homens e mulheres, que vieram presos em correntes.

A punição para os suspeitos era tomar veneno. A feiticeira falou que aos inocentes o veneno não irai fazer efeito, pois dizia: “Se eles não são culpados, eles não vão morrer.” A missionária sabia que aquilo era um artefato do inimigo e não concordou com a decisão e passou a orar incessantemente ao Senhor. Milagrosamente, a ira do chefe foi se aplacando e ele foi convencido da inocência daquelas pessoas e foi libertando elas aos pares.

Por último, onze dos presos foram libertados e a morte de um dos restantes, uma mulher, era exigido. A missionária, porém, de todas as formas tentava salvar a vida dessa mulher, intercedendo junto ao chefe. Vendo a persistência e firmeza dessa nobre escocesa, e vencido pela grande compaixão que advinha dela, o líder tribal cedeu aos seus apelos o último dos presos foi liberado e contentou-se com o chefe do sacrifício de uma vaca. Foi a primeira vez em todo este distrito que a morte de um filho de um chefe não tinha sido vingada com sangue humano.

Como foi que essa solitária mulher branca foi capaz de suportar esta longa e terrível provação? Deixa ela mesma dar a resposta: “Se eu não tivesse sentido o meu Salvador próximo ao meu lado, eu teria perdido a minha razão.” Habilitada por essa presença divina, ela ocupou o seu terreno e pregou para os nativos. Citando as palavras de Jesus: “Aquele que escuta a minha palavra e crê no que ele me enviou, tem a vida eterna, e não devem entrar em condenação, mas passou da morte para a vida“, ela procurou mostrar os terrores do juízo divino e as maravilhas da vida eterna.

Quem era esta mulher que poderia triunfar sobre tais condições? Ela era Mary Slessor, nascido em Aberdeen, Escócia, 2 de dezembro de 1848, e conhecida como a Rainha Branca de Calabar, uma região na costa oeste da África.

Falando desta intrépida mulher, JH Morrison paga este tributo:

 

Ela tem direito a um lugar nas fileiras da frente heroínas da história, e se os maiores feitos de um servo de Deus forem aqueles realizados com grande amor e auto sacrifício, por anos de resistência e sofrimento, sustentados por uma vida de heroísmo e pura devoção, será difícil encontrar, se não impossível, um outro nome igual ao nome de Mary Slessor.

Ela era realmente uma rainha – Uma rainha por sua entrega a causa dos nativos da África, aos quais ela considerava filhos e uma rainha entre as heroínas da igreja cristã.

 


Fontes:
https://www.undiscoveredscotland.co.uk/usbiography/s/maryslessor.html
http://elescreram.blogspot.com

 


Início


 

Postado em Sem categoria